Aumento dos Vereadores
É UMA VERGONHA! VEREADORES DE PRUDENTE AUMENTAM SEUS PRÓPRIOS SALÁRIOS EM 10,84%.
   

 

O Sintrapp repudia a atitude vergonhosa dos vereadores de Presidente Prudente, que mais uma vez demonstra total desrespeito a população prudentina, enquanto lutamos por um aumento real para os servidores municipais que estão  com seus salários defasados há anos, eles nada fazem pelo trabalhador e aumentam seus próprios salários. Um aumento de 10,84% sobre um salário de R$ 4.334,30 que elevará o seu ganha para R$ 4.804,13   , num país que o trabalhador comum tem que se adequar a um salário mínimo de R$545,00. 
Quem se lembra de algum projeto feito por esta casa de lei, que veio beneficiar o trabalhador?


A questão que envolve a revisão dos subsídios dos vereadores tem expressado uma forma abusiva de legislar em causa própria. Enquanto que para os servidores municipais votam, a mando do prefeito um reajuste de 6%, quando defendem seus interesses o reajuste salta para mais de 10,84%. Ressaltamos que os servidores na sua maioria dão dedicação exclusiva ao trabalho, devido a exigência de uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, enquanto a maioria dos vereadores desenvolve outras atividades complementares sendo escasso o tempo que dedicam ao seu mandato.
A Câmara Municipal se vale de uma interpretação equivocada da Constituição Federal, do artigo 37, para atender os seus interesses. Desprezando por completo a determinação da própria constituição que os subsídios somente serão revistos para uma próxima legislatura prevista no art. 29, inciso VI da Constituição, regra especial que se sobrepões às demais.


Dois pesos e duas medidas. Quisera que todos os trabalhadores pudessem aumentar os seus próprios salários como fizeram os vereadores do nosso município. Ao contrário se favorecem de um índice que representa quase ao dobro concedido ao servidor municipal, oriundo da mesma fonte dos recursos, orçamento municipal, e tributos pagos pela nossa população.

Tal mazela não passará impune e será alvo de representação junto ao Ministério Público, para que seja anulada a resolução da Câmara que ofende a Constituição Federal e sejam as coisas postas em seus devidos lugares