Sintrapp e servidores da Referência 01 fazem manifestação em frente ao Paço Municipal de Prudente

Sintrapp e servidores da Referência 01 fazem manifestação em frente ao Paço Municipal de Prudente

Servidoras e servidores lotados nas funções de auxiliar de biblioteca, auxiliar de telefonista, cozinheira, servente de pedreiro, serviços gerais e vigia diurno estiveram mobilizados na tarde de segunda-feira (19) para lutar por valorização. A manifestação teve o objetivo de dar visibilidade à luta da categoria por melhores condições de salário.

Servidoras e servidores representantes de várias das funções que compõem a Referência 01 fizeram falas ao microfone para lembrar e ressaltar a importância de cada uma das atividades desempenhada por tais trabalhadoras e trabalhadores. Durante sua fala, a Cozinheira Lígia Maria Alves de Almeida Comentou que o fim da tarde foi o horário escolhido porque, além de ser o momento em que a população sai do trabalho, a Referência 01 também pretendia cumprir sua jornada normalmente. “Nós, cozinheiras, pensamos em garantir que a comida da escola esteja no prato da criança, porque tem muitas que não têm o que comer e precisam do alimento para prosseguir com o restante do dia”, contou.


As servidoras e servidores reivindicam valorização para as pautas da Referência, haja vista que ela é composta pelas funções que têm o menor salário no funcionalismo municipal. A presidenta do Sintrapp, Luciana Telles, explica que “tais trabalhadoras e trabalhadores, por receberem o menor salário da prefeitura, são os que mais sofrem com a alta nos preços de mercados, combustíveis e no custo de vida em geral”. A sindicalista ainda acrescenta que é preciso que a administração atenda as servidoras e servidores para que o diálogo possa acontecer. “Há algum tempo o prefeito do município, Ed Thomas, já não conversa com a comissão e com o sindicato para discutir essas reivindicações que foram estabelecidas em assembleia”, afirma.

Da rampa do Paço, o movimento seguiu para o semáforo da avenida em frente à praça da Igreja Matriz. Com faixas pedindo valorização e afirmando que “não somos invisíveis”, além de apitos, vuvuzelas e a bateria de movimentos sociais parceiros, os manifestantes ocuparam a faixa de pedestres enquanto o semáforo estava fechado para os carros. Desta forma, a reivindicação seria melhor visualizada pela população dentro dos veículos.

Estado de Greve

Em assembleia realizada no último dia 09 de setembro, as servidoras e servidores da Referência 01 deliberaram estado de greve até que a administração mude a postura diante das necessidades das servidoras e servidores. Em estado de greve, as trabalhadoras e trabalhadores podem deflagrar paralisação a qualquer momento.

Luciana Telles ainda enfatiza que o sindicato e as servidoras e servidores estão lutando por reconhecimento e valorização há anos. “Porém, foram poucas as ocasiões em que as reivindicações da Referência 01 foram recebidas”. A sindicalista acrescenta que a administração costuma apresentar empecilhos, geralmente na área financeira, para atender às reivindicações. Apesar da dificuldade financeira alegada, o governo Ed Thomas não deixou de criar 71 cargos comissionados com salários que representam, aos cofres públicos, gastos em torno de 22 milhões de reais. Enquanto isso, para atender à reivindicação das servidoras e servidores da Referência 01, seriam necessários 6 milhões.

Autor: Itamar Batista